A motivação no ambiente de trabalho é a ferramenta ideal para quem busca aumentar os lucros e os rendimentos. Isso porque a motivação é responsável por auxiliar no desenvolvimento de metas e na busca pelos objetivos de ordens tanto pessoal quanto profissional.

Todavia, é comum encontrar empresas lotadas de funcionários e empregadores desmotivados, sendo que a falta de motivação é um dos principais responsáveis pelo baixo crescimento corporativo e pela grande rotatividade de funcionários. Dessa maneira, nada melhor do que investir na busca da motivação como solução para aprimorar os negócios.

Para ajudar você nessa missão, preparamos este conteúdo para que compreenda a importância de manter o nível de motivação elevado em espaços corporativos. Preparado para mudar o rumo e alcançar o caminho do sucesso e da realização profissional? Então, vamos lá!

O que é motivação?

A palavra “motivação” tem origem no Latim, a partir do termo movere. Nos estudos da Etologia, Psicologia e Ciências Humanas, a motivação é compreendida como a condição que influencia e direciona o comportamento humano — ou, em outras palavras, pode ser considerada o impulso interno que leva o indivíduo à ação. Além disso, a Psicologia classifica a motivação em dois tipos clássicos: a extrínseca e a intrínseca.

A motivação extrínseca surge de maneira condicionada a um certo evento. São estímulos externos que nos motivam a tomar algumas decisões, como atingir determinadas metas para receber um bônus ou ter um aumento salarial. O dinheiro, nessa situação, atua como um fator externo que motiva o indivíduo a alcançar tal objetivo. Entretanto, esse tipo de motivação tem um efeito “de curto prazo”, e o “prêmio” material deixa de ser desejado em pouco tempo.

Já a motivação intrínseca não necessita de influência externa para fazer com que atitudes sejam estabelecidas. Neste caso, a motivação corresponde aos impulsos oriundos de necessidades internas — ou seja, são os motivos pessoais. Este tipo de motivação oferece resultados de “longo alcance”, pois esta motivação é guiada pelo prazer em executar determinadas ações.

Tudo aquilo que é desencadeado por um desejo espontâneo é considerado motivação intrínseca. Como está diretamente ligada ao ego e a autoestima, essa motivação faz com que as pessoas busquem melhorar a si mesmas e crescer nos âmbitos pessoal e profissional

Qual a importância da motivação no ambiente corporativo?

Não é de hoje que muitos estudos confirmam que trabalhadores motivados produzem muito mais — afinal, a motivação é o combustível para o bom rendimento.

Segundo o consultor de negócios Lowie Alves Cucolicchio, investir no bem-estar do empregador é primordial para quem busca um retorno garantido, quando o assunto é lucro. “Além de aumentar a produtividade, a empresa diminui consideravelmente a rotatividade de funcionários”, complementa Cucolicchio.

Além do mais, a motivação no ambiente de trabalho dependerá tanto das iniciativas particulares do funcionário quanto das atitudes do empregador.

De acordo com uma pesquisa elaborada pela GPTW (Great Place To Work), as empresas que contam com funcionários motivados conseguem manter ou aumentar a margem de lucro durante períodos difíceis. Apesar dos abalos sofridos na economia brasileira durante 2015, as melhores empresas para se trabalhar no Brasil de acordo com o ranking da GTPW , tiveram um aumento de lucro em torno de 14%.

Em contextos globais, a gigante Google é um dos maiores cases de sucesso, quando o assunto é motivação no ambiente de trabalho. Desde 1998, a corporação investe na qualidade de vida de seus funcionários, oferecendo aulas recreativas de ginástica e musculação, meditação, sala de jogos, quadras de esporte, piscina aquecida, serviços de oficina e lava rápido para carros, alimentos orgânicos, entre outros.

Como você pode manter-se motivado durante o trabalho?

A motivação no trabalho está diretamente relacionada às realizações particulares de cada indivíduo.

Segundo a pirâmide hierárquica das necessidades, proposta pelo psicólogo americano Abraham Harold Maslow, o ser humano precisa satisfazer 5 necessidades para atingir sua plena realização. São elas:

  1. necessidades fisiológicas  são os desejos relacionados às necessidades físicas, como dormir, respirar, descansar e comer;
  2. necessidades de segurança  são as condições que garantem estabilidade, como emprego, dinheiro e planos de saúde;
  3. necessidades sociais  são as carências relacionadas à convivência humana, como ter amigos, sair para conversar, estabelecer relacionamentos afetivos etc.;
  4. necessidades de estima — estão relacionadas diretamente ao auto-reconhecimento de suas capacidades e, também, do reconhecimento de terceiros sobre os próprios atos;
  5. necessidades de auto-realização  são os desejos ligados ao crescimento, tanto pessoal como profissional.

Tomando como base os preceitos da pirâmide hierárquica das necessidades, é importante que você faça um exercício de autocrítica: analise os tópicos e tente aplicá-los no seu dia a dia empresarial. Pergunte a si mesmo: “Meu trabalho ou profissão me faz sentir realizado?” ou “No que posso melhorar para ter mais motivação no ambiente corporativo e, com isso, alcançar a realização profissional?”.

Se as respostas indicarem que você é o único capaz de alterar as condições laborais para sentir-se mais motivado e realizado, não tenha medo de mudar e de estabelecer objetivos que impulsionem seu crescimento profissional!

Entretanto, se você acredita que fatores externos estão influenciando negativamente os seus propósitos, procure seus superiores ou o RH para uma conversa aberta. Pode ter a certeza de que, ao melhorar o ambiente de trabalho, o rendimento coletivo será impactado positivamente — ou seja, todos sairão ganhando!

De que forma a empresa pode incentivar a motivação no trabalho?

A teoria dos dois fatores, criada por Frederick Herzberg, ajuda a compreender de que forma as ações corporativas podem ser modificadas, com a finalidade de auxiliar no aumento da motivação dentro da empresa. De forma resumida, o esquema de Herzberg propõe que a companhia elenque quais são os fatores que levam à insatisfação e quais levam à satisfação, por parte dos funcionários.

Durante seus estudos, Frederick Herzberg constatou que, na maioria dos casos, os fatores que causavam a satisfação dos empregados estavam relacionados diretamente ao trabalho individual — como prazer na função desempenhada, responsabilidades, promoções, aumentos de salário, benefícios fornecidos pela empresa, reconhecimento dentro do ambiente corporativo, entre outros.

Em relação aos fatores que causavam insatisfação, a teoria dos dois fatores apontou que, em grande parte dos casos, os motivos estavam relacionados às relações interpessoais  como intrigas, fofocas, desvalorização, baixa remuneração, entre outros.

Portanto, se você é empregador, vale a pena realizar esse tipo de questionamento aos seus colaboradores para que a sua empresa tenha um maior rendimento, além de proporcionar um ambiente de trabalho agradável e favorável para todos.

No entanto, caso você trabalhe em uma empresa que não motiva seus funcionários é importante fornecer um feedback para seus superiores, tendo em vista que essa atitude poderá impactar positivamente no desenvolvimento das atividades e na manutenção da motivação no ambiente de corporativo. 

Se você gostou do nosso conteúdo, compartilhe o post nas redes sociais e ajude seus amigos, familiares e colegas a buscar motivação no ambiente de trabalho! Seja você também um agente de transformação!